Ir para o conteúdo

Prefeitura Municipal de Betim - MG e os cookies: Nosso site usa cookies para melhorar a sua experiência de navegação. Ao continuar você concorda com a nossa Política de Cookies e Privacidade.
OK
Prefeitura Municipal de Betim - MG
Acompanhe-nos:
Rede Social Facebook
Rede Social Instagram
Rede Social Linkedin
Rede Social Youtube
Rede Social Twitter
Rede Social WhatsApp
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
NOV
22
22 NOV 2021
PROJETOS
Betim cobra transparência do Estado em audiência pública na Cidade Administrativa
PROCESSANDO ÁUDIO
Uma audiência pública para debater o traçado e outros impactos do Rodoanel Metropolitano foi realizada, na tarde desta segunda-feira (22), na Cidade Administrativa de Minas Gerais. O encontro foi conduzido pela Secretaria de Estado de Infraestrutura e Mobilidade. Na ocasião, prefeitos dos municípios do Médio Paraopeba e da Grande BH - impactados diretamente pelo projeto - tiveram a oportunidade de fazer considerações sobre o projeto do Governo de Minas. O prefeito de Betim, Vittorio Medioli, apresentou a proposta elaborada por Betim - que conta com o apoio de outras cidades -, destacando as diferenças entre os desenhos.

Dentre os principais pontos de divergência está o traçado do Rodoanel, que, no projeto do Estado, corta o município de Betim ao meio, gerando novos pontos de estrangulamento do trânsito já pesado das BRs 381 e 262 e, ainda, na região da Área de Proteção Ambiental (APA) Várzea das Flores - localizada na divisa entre Betim e Contagem.

Em sua apresentação, o prefeito Vittorio Medioli explicou a diferença entre as duas propostas e criticou a forma como o Governo de Minas está conduzindo as discussões sobre o Rodoanel. “Esse projeto deveria ter sido construído consultando e dialogando com os prefeitos dos municípios envolvidos. Para Betim, por exemplo, duas  transposições estão previstas. Quando se fala em anel, se fala em volta, em contorno, e não em um corte ao meio. Como refazer a mobilidade urbana? Como refazer a distribuição de água, de rede de esgoto, de energia elétrica? Essa travessia destrói o que já foi construído, destrói o equilíbrio urbanístico. Já falamos e apresentamos isso de várias formas ao Estado, mas nunca fomos ouvidos”.

Ao final da audiência, Medioli ressaltou que o resultado foi “constrangedor”. “Um governo que está planejando a maior obra de todos os tempos na RMBH chega, sem consenso algum, após dez meses, em véspera de ter que tomar uma decisão é algo constrangedor. Não houve transparência. A Secretaria de Estado de Infraestrutura está repleta de advogados e não de técnicos ou de engenheiros. Há todo um critério para criar um bons negócios para as concessionárias de rodovias públicas. O dinheiro sai da população, mas quem vai ficar com o recurso dos pedágios por décadas são as concessionárias. O projeto do Estado tem muitas contas de rentabilidade, mas nenhuma dos prejuízos humanos”.
Seta
Versão do Sistema: 3.1.7 - 02/12/2021
Copyright Instar - 2006-2021. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia