Prefeitura de Betim IPTU 2015
Webmail PMB
Contracheque
Cadastro Habitação
Licitações
Portal do Contribuinte
Ouvidoria
Consulta Protocolo
Cadastro de Estagiário
Notícias . 28/01/2019
Saiba mais sobre dengue, zika e chikungunya
 

Levantamento mostra que a maioria dos focos do mosquito está em domicílios

 

 A Prefeitura de Betim, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), faz alerta à população para que participe efetivamente das ações de combate aos focos do mosquito Aedes aegipty, transmissor das arbiviroses dengue, chikungunha e zica. Segundo resultado do LIRAa (Levantamento de Índice Rápido de Aedes aegipty), realizado entre os dias 7 e 18 deste mês, a maior parte dos reservatórios onde foi detectada a presença do mosquito são passíveis de remoção, como pratos de vaso de planta, bebedouro de animal, entre outros. O dado reforça a importância do papel dos moradores em controlar a infestação.

 

O LIRAa é a ferramenta desenvolvida pelo Ministério da Saúde do Brasil para indicar  áreas com maior risco de infestação do mosquito. Em Betim, esse primeiro LIRAa de 2019  detectou que o município se encontra em estado de alerta, apresentando índice de infestação de 2,8% (numa escala que varia de 0 a 5%). Em relação às regionais em maior risco, estão Imbiruçu, Petrovale, Alterosas, Norte, e Citrolândia, que apresentaram índices superiores a 4%.

 

Diante dos resultados, a SMS, através das equipes do Centro de Controle de Zoonoses e Endemias (CCZ), ligado à Vigilância em Saúde, vem reforçando as ações para enfrentar o problema em todas as regiões. Entre essas está o tratamento focal com visita de 100% dos imóveis. Incluem ainda a remoção dos criadouros, realização de mutirão de limpeza com recolhimento de inservíveis, palestras com teatro e blitze educativas.

 

Também vem sendo feita a vedação de depósitos, para consumo humano de água (tambores e caixa d¿águas). Há ainda equipe especial para efetuar o tratamento de pontos estratégicos com maior probabilidade de presença de focos, como as borracharias.

 

Outra medida é o bloqueio de transmissão ou UBV leve ou pesado (fumacê). O UBV pesado (fumacê) começou no último dia 25 e terminará em 02 de fevereiro. Os bairros contemplados serão Nossa Senhora das Graças e Vila Nossa Senhora das Graças. O UBV leve (bomba costal) está sendo realizado atualmente no bairro Pingo d'Água. A partir do momento em que é recebida notificação de caso suspeito, o local é incluído no planejamento do UBV leve.

 

Projeto Inovador

Através do Projeto Integrador, a Vigilância em Saúde promove ações de educação em saúde, eliminação de foco da dengue, vacinação contra febre amarela, dentre outras, em asilos, comunidades terapêuticas, templos religiosos, empresas e shoppings.

As instituições interessadas em participar do projeto podem ligar no número 3112-3299 e agendar uma visita da equipe de Vigilância em Saúde e entrega de materiais educativos.  

DENGUE

Você sabe o que é a dengue?
É uma doença viral transmitida pelo mosquito 
Aedes aegypti . No Brasil, foi identificada pela primeira vez em 1986. Estima-se que 50 milhões de infecções por dengue ocorram anualmente no mundo.
 
Como ela pode ser transmitida?
A principal forma de transmissão é pela picada dos mosquitos 
Aedes aegypti . Há registros de transmissão vertical (gestante - bebê) e por transfusão de sangue.  Existem quatro tipos diferentes de vírus do dengue: DEN-1, DEN-2, DEN-3 e DEN-4.
 
Quais são os sintomas da dengue?
A infecção pode ser assintomática, ou seja, não apresenta sintomas, leve ou causar doença grave levando à morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de dois a sete dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Na fase febril inicial da enfermidade pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes, sangramento de mucosas, entre outros sintomas.
 
Qual o tratamento?
Não existe tratamento específico para dengue. O tratamento é feito para aliviar os sintomas. Quando aparecer os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde mais próximo, fazer repouso e ingerir bastante líquido. Importante não tomar medicamentos por conta própria.
 
Como prevenir?
Ainda não existe vacina ou medicamentos contra dengue. Portanto, a única forma de prevenção é acabar com o mosquito, mantendo o domicílio sempre limpo, eliminando os possíveis criadouros. Roupas que minimizem a exposição da pele durante o dia, quando os mosquitos são mais ativos, proporcionam alguma proteção às picadas e podem ser adotadas principalmente durante surtos. Repelentes e inseticidas também podem ser usados, seguindo as instruções do rótulo. Mosquiteiros proporcionam boa proteção pra aqueles que dormem durante o dia (por exemplo: bebês, pessoas acamadas e trabalhadores noturnos).
 
Como denunciar os focos do mosquito?
As ações de controle da dengue ocorrem, principalmente, na esfera municipal. Quando o foco do mosquito é detectado e não pode ser eliminado pelos moradores de um determinado local, a Secretaria Municipal de Saúde deve ser acionada.
 
CHIKUNGUNYA 

Você sabe o que é a chinkungunya?
A febre chikungunya é uma doença transmitida pelos mosquitos 
Aedes aegypti e Aedes albopictus.  No Brasil, a circulação do vírus foi identificada pela primeira vez em 2014. Chikungunya significa "aqueles que se dobram" em  swahili , um dos idiomas da Tanzânia. Refere-se à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada, na Tanzânia, localizada no leste da África, entre 1952 e 1953. 
 
Quais são os sintomas?
Os principais sintomas são febre alta de início rápido, dores intensas nas articulações dos pés e mãos, além de dedos, tornozelos e pulsos. Podem ocorrer ainda dor de cabeça, dores nos músculos e manchas vermelhas na pele. Não é possível ter chikungunya mais de uma vez. Depois de infectada, a pessoa fica imune pelo resto da vida. Os sintomas iniciam entre dois e doze dias após a picada do mosquito. O mosquito adquire o vírus CHIKV ao picar uma pessoa infectada, durante o período em que o vírus está presente no organismo infectado. Cerca de 30% dos casos não apresentam sintomas.
 
Como é feito o tratamento?
Não existe vacina ou tratamento específico para chikungunya. Os sintomas são tratados com medicação para a febre (paracetamol) e as dores articulares (antiinflamatórios). Não é recomendado usar o ácido acetilsalicílico (AAS) devido ao risco de hemorragia. Recomenda‐se repouso absoluto ao paciente, que deve beber líquidos em abundância.
 
Como prevenir?
Assim como a dengue, é fundamental que as pessoas reforcem as medidas de eliminação dos criadouros de mosquitos nas suas casas e na vizinhança. Quando há notificação de caso suspeito, as secretarias municipais de Saúde devem adotar ações de eliminação de focos do mosquito nas áreas próximas à residência e ao local de atendimento dos pacientes.
 
ZIKA
 
O que é o Zika?
O zika é um vírus transmitido pelo 
Aedes aegypt i e identificado pela primeira vez no Brasil em abril de 2015. O vírus zika recebeu a mesma denominação do local de origem de sua identificação em 1947, após detecção em macacos sentinelas para monitoramento da febre amarela, na floresta Zika, em Uganda.
 
Quais são os sintomas?
Cerca de 80% das pessoas infectadas pelo vírus zika não desenvolvem manifestações clínicas. Os principais sintomas são dor de cabeça, febre baixa, dores leves nas articulações, manchas vermelhas na pele, coceira e vermelhidão nos olhos. Outros sintomas menos frequentes são inchaço no corpo, dor de garganta, tosse e vômitos. No geral, a evolução da doença é benigna e os sintomas desaparecem espontaneamente após três a sete dias. No entanto, a dor nas articulações pode persistir por aproximadamente um mês. Formas graves e atípicas são raras, mas quando ocorrem podem, excepcionalmente, evoluir para óbito, como identificado em novembro de 2015, pela primeira vez na história. Observe o aparecimento de sinais e sintomas de infecção por vírus zika e busque um serviço de saúde para atendimento, caso necessário.
 
Como é transmitido?
O principal modo de transmissão do vírus é pela picada do 
Aedes aegypti . Não há evidências de transmissão por meio do leite materno, assim como por urina e saliva. É crescente a evidência de que o vírus pode ser sexualmente transmissível. Em maio, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou o guia interino de prevenção da transmissão sexual do vírus zika.
 
Qual o tratamento?
Não existe tratamento específico para a infecção pelo vírus zika. Também não há vacina contra o vírus. O tratamento recomendado para os casos sintomáticos é baseado no uso de acetaminofeno (paracetamol) ou dipirona para o controle da febre e manejo da dor. No caso de erupções pruriginosas, os anti-histamínicos podem ser considerados. Não se recomenda o uso de ácido acetilsalicílico (AAS) e outros anti-inflamatórios, em função do risco aumentado de complicações hemorrágicas descritas nas infecções por outros flavivírus. Os casos suspeitos devem ser tratados como dengue devido à sua maior frequência e gravidade conhecida.
 
Cuidados para o público em geral:
Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas ¿ calças e blusas ¿ e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas. Fiquem, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis. 
Caso observe o aparecimento de manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre busque um serviço de saúde para atendimento. Não tome qualquer medicamento por conta própria. Procure orientação sobre planejamento reprodutivo e os métodos contraceptivos nas unidades básicas de saúde.

Se desejar engravidar: busque orientação com um profissional de saúde e tire todas as dúvidas para avaliar sua decisão. Se não deseja engravidar, busque métodos contraceptivos em uma unidade básica de saúde.
 
Cuidados para a gestante:
Utilize telas em janelas e portas, use roupas compridas ¿ calças e blusas ¿ e, se vestir roupas que deixem áreas do corpo expostas, aplique repelente nessas áreas. Fique, preferencialmente, em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis.
Busque uma unidade básica de saúde para iniciar o pré-natal assim que descobrir a gravidez e compareça às consultas regularmente. Vá às consultas uma vez por mês até a 28ª semana de gravidez; a cada quinze dias entre a 28ª e a 36ª semana; e semanalmente do início da 36ª semana até o nascimento do bebê. Tome todas as vacinas indicadas para gestantes. Em caso de febre ou dor, procure um serviço de saúde. Não tome qualquer medicamento por conta própria .
Se tiver dúvida, fale com o seu médico ou com um profissional de saúde. Relate ao seu médico qualquer sintoma ou medicamento usado durante a gestação. Leve sempre consigo a Caderneta da Gestante, pois nela consta todo seu histórico de gestação.
 
Cuidados com o recém-nascido:
Proteger o ambiente com telas em janelas e portas, e procurar manter o bebê com uso contínuo de roupas compridas ¿ calças e blusas. Manter o bebê em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis. A amamentação é indicada até o 2º ano de vida ou mais, sendo exclusiva nos primeiros seis meses de vida.
Caso se observe manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, procurar um serviço de saúde. Não dar ao bebê qualquer medicamento por conta própria.
Após o nascimento, o bebê será avaliado pelo profissional de saúde na maternidade. A medição da cabeça do bebê (perímetro cefálico) faz parte dessa avaliação. Além dos testes de Triagem Neonatal de Rotina (teste de orelhinha, teste do pezinho e teste do olhinho), poderão ser realizados outros exames.
Leve seu bebê a uma unidade básica de saúde para o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento conforme o calendário de consulta de puericultura. Mantenha a vacinação em dia, de acordo com o calendário vacinal da Caderneta da Criança.
 
Cuidados com recém-nascidos com microcefalia:
Proteger o ambiente com telas em janelas e portas e procurar manter o bebê com uso contínuo de roupas compridas ¿ calças e blusas. Manter o bebê em locais com telas de proteção, mosquiteiros ou outras barreiras disponíveis. A amamentação é indicada até o 2º ano de vida ou mais, sendo exclusiva nos primeiros seis meses de vida.
Caso observem manchas vermelhas na pele, olhos avermelhados ou febre, procurar um serviço de saúde. Não dar ao bebê qualquer medicamento por conta própria. Leve seu bebê a uma unidade básica de saúde para o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento conforme o calendário de consulta de puericultura. Mantenha a vacinação em dia, de acordo com o calendário vacinal da Caderneta da Criança.
Além do acompanhamento de rotina na unidade básica de saúde, seu bebê precisa ser encaminhado para a estimulação precoce. Caso o bebê apresente alterações ou complicações (neurológicas, motoras ou respiratórias, entre outras), o acompanhamento por diferentes especialistas poderá ser necessário, a depender de cada caso.
 
O que é microcefalia?
Microcefalia é uma malformação congênita, em que o cérebro não se desenvolve de maneira adequada. Essa malformação congênita pode ser efeito de uma série de fatores de diferentes origens, como substâncias químicas e agentes biológicos (infecciosos), como bactérias, vírus e radiação. A Organização Mundial da Saúde padroniza as definições segundo os seguintes pontos de corte: microcefalia - recém-nascidos com um perímetro cefálico inferior a dois desvios-padrão, ou seja, mais de dois desvios-padrão abaixo da média para idade gestacional e sexo; microcefalia grave - recém-nascidos com um perímetro cefálico inferior a 3 desvios-padrão, ou seja, mais de 3 desvios-padrão abaixo da média para idade gestacional e sexo.
 
 

     
Resolução recomendada: 1024x768
Última Atualização: Segunda-feira, 20 de Maio de 2019 às 15:31:26


PREFEITURA DE BETIM
Rua Pará de Minas, 640 • Brasiléia • Betim-MG • CEP. 32.600-412 • Tel.: (31) 3512-3444 • 3512-3000
Horário de funcionamento: 10h00 às 17h00
 
português